Pages

11.7.08

cinema expressionista alemão: influências expressionistas 80 anos depois

Se é pra falar de cinema, então vamos continuar. Tudo bem que nem sempre os filmes apreciados pela crítica e pelo público acabam caindo no teu gosto, mas, filmes indubitavelmente bons, são, sem dúvidas, os expressionistas alemães. Possuidor de uma abstrata interpretação da realidade, o paradoxo causado pelo cinema alemão das décadas de 1910 à 1930 nos remete a questionar desde o que é belo, até como filmes em preto e branco (e mudos) eram capazes de causar tanto sensacionalismo nas pessoas (e até hoje causam se pensarmos nas circunstâncias as quais foram filmados).
A resposta é simples: semelhante ao que ocorre hoje (óbvio, proporcionalmente em menor escala) com a indústria cinematográfica, no ínicio do século XX também eram produzidos muitos filmes alienantes, os quais provocados pela euforia de uma das maiores novidades da época acabavam vendendo. A diferença está nos filmes que se tornaram clássicos e perduram até hoje, quase cem anos depois, como os do cinema expressionista alemão, os quais além de representar uma ruptura com o modo de fazer cinema do início do século passado, começam a desenvolver em seu público uma nova forma de pensar, absorver informações e raciocinar filosoficamente em cima delas.
Filmes como 'Nosferatu' e o 'Gabinete do Dr. Caligari' são aqueles tipos de filme que permanecem na nossa mente por anos à fio, e nos remontam principalmente, à genialidade do autor. Por mais que essas obras fujam completamente ao estereótipo que estamos acostumados a ver nos anos 2000, Murnau, Robert Wiene e Bela Lugosi, não são mencionados até hoje nas grandes convenções cinematográficas em vão. Sinceramente, acho que todo mundo deveria dedicar um tempo a conhecer o cinema alemão e aprender apreciá-lo na íntegra, vendo o quanto existem influências expressionistas até hoje no cinema mundial e como isso acabou influenciando na sua trajetória, sua percepção da realidade e até, no comportamento das pessoas, que se formam também, pelo cinema.

Nenhum comentário: